quinta-feira, 8 de maio de 2014

Triple-e

Quando a gente comenta sobre máquinas econômicas, eco-friends, isso é o que pipoca em nossa mente

Algo pequeno, frágil e fraco em termos de potência.

Porém, hoje vamos falar de algo "econômico". Os cargueiros da classe triple-e da maersk. Triple-e? Sim, Economy of scale, Energy efficient and Environmentally improved. Algo como super amigo da natureza na medida do possível.

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Um ensaio sobre uma profunda divagação leiga de um problema social adornado com palavras mediováigeis que significam bolhufas

Tem uma coisa que me incomoda, desde que mudei algumas opiniões minhas sobre a opinião dos outros. Qual é o sentido de apontar todos os dedos possíveis para uma pessoa, cuja opinião, vontade, credo, o que for é diferente da tua, e não fazer nada além de dizer o quão errada ela está?

Para simplificação de texto, vou chamar de BUNDA o conjunto [opinião e/ou vontade e/ou credo e/ou etc.].

Há uma quantia notável de pessoas, que agem como pequenas crianças mimadas, que batem o pé, exigindo que a BUNDA delas seja notada, sem apresentar pontos sobre a própria BUNDA, que tornariam toda e qualquer discussão mais construtiva, e fazem nada além de atacar a BUNDA dos outros com todos os contras "descobertos recentemente pela universidade de Massachussets, divulgada num blog por aí".

Não consigo mais me lembrar, de quando foi a última vez que alguém disse, tu tens razão.

Não consigo mais me lembrar também, de quando foi a última vez que eu escutei alguém dizendo que não tinha BUNDA sobre o assunto.

O fenômeno BUNDAxBUNDA vem assolando as minhas redes sociais por um tempo, lembro de que não restou pedra sobre pedra quando os ânimos se acalmaram depois de duelos intermináveis de trocas de palavras entre ateus e religiosos, em que nenhuma BUNDA foi alterada.

Não vou ser hipócrita e dizer que sempre fui tolerante, nem fodendo. Só to dizendo no momento, que aceito mais a BUNDA dos outros, ouço os conselhos, e isso tem sido um exercício de auto-construção, busco cada vez mais a verdade e a tolerância, assim como Fidel, Che, Adolfinho...

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Moulin Rouge

Ressucitamos, talvez.
Em 2009 eu acredito, eu e o Paulo nos víamos com uma frequência maior do que hoje. Estudávamos juntos, farreávamos juntos e como éramos praticamente irmãos, dormíamos um na casa do outro (HETERO).
Numa dessas ocasiões, estávamos na casa do Paulo, e ele citou:
-Instalei um jogo de corrida massa.
Ambos éramos fanáticos por automobilismo, e quando ele acabou de falar, eu já tava jogando.
Joguei nas pistas tradicionais que eu já conhecia, Laguna Seca, Suzuka, Le Mans, essas mais conhecidinhas. Então ele me disse:
-Corre nessa Spa aí, ela é bem maneira e tem uma curva linda.
Eu nunca tinha ouvido falar de Spa Francorchamps até então, e também nunca tinha ouvido alguém falar que uma curva é linda.
Então eu fui, fiz a curva La Source, um grampo (180°) em baixa velocidade e entrei na reta dos boxes, uma descida um tanto inclinada. Depois do guard rail sair da frente, essa foi minha visão (Mais ou menos).